UM CIRURGIÃO-DENTISTA EGÍPICIO

Depois de um enorme recesso aqui no blog, estou de volta…

O Natal se foi, o final do ano e aqui no DN tivemos a participação de alguns amigos blogueiros, enviando mensagens e desejando votos de um feliz Natal.

Quero muito agradecer ao Marcel, Amilton, Ana, Paula e Frank, que foram muito solícitos e marcaram presença aqui e nos brindaram com suas mensagens. E que ao longo do próximo ano eles continuem nos fazendo rir, esclarecendo e acima de tudo nos ensinando muito através de seus blogs.

A cada um de vocês muito obrigado e um ano novo repleto de saúde, felicidades e muitos posts nos blogs.

E para começar o ano [do blog] o post é sobre algo triste no mundo [mesmo que longe] e no meio disso tudo um dentista que já foi post aqui no ano de 2009. O escritor  Alaa Al Aswany que também é dentista e atende justamente nas proximidades da praça Tahrir onde acontecia os conflitos no Egito.

Leia abaixo o que foi dito sobre ele na Folha de S. Paulo.


Autor de sucesso é dentista e lidera grupo de oposição

DE SÃO PAULO

Um dos autores árabes contemporâneos de maior sucesso, Alaa Al Aswany já foi comparado pelo estilo realista a Naguib Mahfouz (1911-2006), o único egípcio a receber o Nobel de Literatura, em 1988.
Seu romance mais conhecido, “O Edifício Yacubian” (2002), vertido para 12 idiomas, ganhou adaptação cinematográfica e foi lançado no Brasil pela Companhia das Letras, que também planeja publicar “Friendly Fire” (fogo amigo), livro de contos.
Nascido em 1957 e formado em odontologia, Aswany, que já morou nos EUA, ganha a vida como dentista -seu consultório no centro do Cairo é próximo ao lugar dos tumultos.
Autor de textos políticos para jornais e revistas, o escritor é um dos fundadores do movimento oposicionista Kifaya (“basta”).

O escritor e líder oposicionista Alaa Al Aswany no Cairo, onde trabalha como dentista

REVOLTA ÁRABE

Egito vive rebelião romântica, diz escritor

Para o romancista Alaa Al Aswany, revolução “é como estar apaixonado por alguém; torna as pessoas melhores’

Intelectual afirma que Mubarak está perdendo força e que o diálogo com a oposição é só um modo de ganhar tempo

DO ENVIADO AO CAIRO

“Fazer uma revolução é como estar apaixonado por alguém. É algo que nos torna pessoas melhores e capazes de qualquer coisa, inclusive o que parecia impossível.”
A comparação é de um dos mais proeminentes e engajados intelectuais egípcios, o escritor Alaa Al Aswany, 54, cuja obra já foi traduzida para pelo menos 12 línguas, incluindo o português.
“Toda revolução é romântica, o Egito é a maior prova disso”, afirmou o autor, ao receber a Folha e um pequeno grupo de outros jornalistas no apertado gabinete do centro do Cairo onde atende como dentista.
Para ilustrar esse romantismo, Aswany cita a coragem e o civismo dos manifestantes antigoverno acampados na praça Tahrir.
“Eu estava na praça quando a polícia atirou na multidão, no último dia 28. Vi um homem do meu lado ser baleado na cabeça. Mesmo assim, ninguém recuou um centímetro sequer diante das balas”, afirma.

REVOLUÇÃO LIMPA
O escritor, fluente em inglês e francês, também cita o que vê como um despertar espontâneo de solidariedade e respeito.
“Dias atrás, joguei um papel no chão da praça. Uma senhora de 70 anos me parou e disse: essa revolução é por um país melhor, e isso supõe um país mais limpo. Por favor, recolha o papel e jogue-o no lixo”, relata.
O autor se diz impressionado com as doações de alimentos aos manifestantes e com a capacidade dos voluntários de coordenar segurança, atendimento médico e até o trânsito no Cairo.
“Todos os egípcios querem o fim deste regime, que é um dos mais repressores do mundo. Só defendem Mubarak aqueles que tiram algum benefício pessoal do governo”, afirma.

REAÇÃO PADRONIZADA
Aswany diz não ter dúvidas de que as marchas de apoio ao ditador foram orquestradas pelo governo e alerta para o que chama de contrarrevolução.
“Ditadores, que passam décadas sem contato direto com a realidade da população e possuem egos gigantes, reagem de forma padronizada diante de revoluções”, expõe o autor.
“Primeiro, eles negam a realidade. Depois, atribuem os distúrbios a elementos isolados a serviço de inimigos externos. Em seguida, negociam, sem nunca atender à reivindicação principal. Por fim, quando a ficha cai, eles se tornam muito agressivos, como um tigre ferido.”
Hosni Mubarak, segundo o autor, mostrou-se capaz de tudo para levar adiante a contrarrevolução, inclusive ordenar que a polícia atirasse na população.
Aswany afirma que as ordens de massacrar os rebeldes só foram interrompidas após pressão dos norte-americanos -o regime egípcio é aliado da Casa Branca.
O escritor afirma que as conversas em curso entre governo e oposição são um modo de Mubarak ganhar tempo e diz que, quando houver eleições livres, votará em Amr Moussa, ex-ministro das Relações Exteriores, hoje secretário-geral da Liga Árabe.
“Ao atirar no próprio povo, Mubarak perdeu a força moral. A pressão interna e externa fez com que ele perdesse também a força política. Ainda resta a ele um pouco de força prática, que desaparecerá”, avalia Aswany.
(SAMY ADGHIRNI)

PS.:  Desde  que tomei conhecimento sobre Alaa Al Aswany, comprei o livro Edifício Yacubian, que até hoje fica me observando de longe, implorando para ser lido, mas a fila é grande e o tempo é curto. Uma hora chega sua vez e voltarei aqui pra contar a vocês.

 


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: